oncontextmenu='return false' onselectstart='return false'>expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

22 maio 2015

5

Campanha divulga frases de crianças abusadas sexualmente




Frases de crianças vítimas de violência sexual são destaques da campanha "Todo Dia é Dia 18", em referência ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Criada pelo Cedeca, Centro de Defesa da Criança e do Adolescente, de Interlagos, São Paulo, campanha visa a estimular as denúncias dos abusos pelo Disque 100 .

O Disque 100 informou ter recebido 4.480 denúncias de violência sexual no primeiro trimestre deste ano. A maioria (85%) por estupros. Esse tipo de crime ocorre quando o agressor, por meio de força física, ameaça ou sedução, usa crianças ou adolescentes para a própria satisfação sexual.


“Ele gostava de brincar só na cama, e eu gosto de brincar na rua”, conta João, de três anos, vítima de abuso sexual. Frases verídicas de crianças estampam uma campanha para incentivar denúncias de casos ao disque 100, serviço mantido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

A Ong Cedeca (Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente) lançou a campanha no dia 18 deste mês, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Em 2014, o disque 100 recebeu 26 mil ligações denunciando abusos sexuais.

A Ong fica em São Paulo e faz atendimento às vítimas e também a abusadores.


Prevenir abusos sexuais contra crianças e adolescentes exige algumas medidas que podem ser consideradas drásticas.

Não tenha medo de denunciar alguém da família, marido/mulher, padrasto, ou qualquer outra pessoa. É muito comum o receio de denunciar por talvez achar que a criança está mentindo ou porque a família será desestruturada depois do "escândalo". Traumas vividos pela vítima podem se tornar irreversíveis. Quanto mais tempo ela viver o estupro, mais traumatizada ela poderá ficar para o resto da vida.

Crianças abusadas tendem a mudar de comportamento dentro de casa e na escola. Os pais devem observar o comportamento.

Repare se seu filho passou a se excluir da família, voltou a fazer xixi na cama, chupar o dedo, tem transtornos alimentares, repulsa à figura masculina (caso tenha sido abusado por um homem).


Se os pais desconfiarem de qualquer possibilidade de abuso, mas não conseguirem identificar em que lugar, pessoa e situação ele ocorre, o ideal é buscar a ajuda de psicólogos antes mesmo de chamar a polícia.

Do total de crianças abusadas em 2014, 48% das crianças e adolescentes foram agredidas dentro de casa e 23%, na casa do próprio suspeito.

Nos casos registrados no período entre janeiro de 2012 e março de 2014, 60% dos abusos sexuais não foram cometidos por parentes da vítima. Em 15% das ocorrências, o suspeito era o pai; em 10%, o padrasto; em 15%, outro grau de parentesco, como avô, tio ou primo.



Em 80% dos casos de abuso sexual, as vítimas são meninas.

A escola tem um grande papel na identificação de vítimas. Funcionários e toda a direção têm o papel social de denunciar à polícia e orientar em situações de abuso sexual.
Prevenir abusos sexuais contra crianças e adolescentes exige algumas medidas, com os bebês é preciso estabelecer a maior vigilância possível sobre toda a rotina. 
Na fase em que a criança já consiga conversar, o primeiro passo é explicar quais partes do corpo dela não devem ser tocadas. Ensine que nenhum adulto ou qualquer outra pessoa da família ou não, não deve tocar nas partes genitais, anais e peitoral, podendo ser chamadas de "partes proibidas", isso pode ser dito como "as partes que o biquíni/maiô e sunga cobrem". Eles vão entender. Ensine também que não podem falar com estranhos ou aceitar nada deles.
Em tempos em que a internet faz parte da rotina dos menores, o cuidado deve ser ainda mais rigoroso.

Não contribua para o silêncio, não feche os olhos, não fique parado diante desta situação com os braços cruzados. Denuncie!
Disque 100 ou procure o Conselho Tutelar mais próximo.

Grande Beijo, meu e das pequenas.


 

5 comentários :

  1. É muito sério esta questão! As crianças estão muito vulneráveis a situações como estas!!! E em qualquer lugar! Temos que alertas as crianças desde cedo sobre estas situações e alertá-las sempre! E sempre de olho em tudop e todos!! É uma realidade triste, infelizmente!!

    ResponderExcluir
  2. Muito triste isso.
    Leio a frase e fico imaginando a criança falando. :/
    Bjão Tati

    www.blogdajeu.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu fico muito triste em saber que ainda existem pessoas que fazem esse tipo de maldade! E essa campanha é muito interessante, ótimo abordar o que as crianças realmente pensam e passam.
    Beijos

    www.rabiscando.org

    ResponderExcluir
  4. Achei muito interessante essa campanha, principalmente os cartazes, acho que eles deveriam ser colocados em vários pontos de várias cidades, porque assim as pessoas ficariam mais conscientizadas sobre isso. E acho que a escola tem que ficar de olho mesmo, principalmente com crianças menores, que não sabem o que é isso que estão fazendo com ela, e cabe aos pais também orienta-los né, para que assim que ocorrer algo eles contarem, nem que seja por um sinal ou cartinha.

    ResponderExcluir
  5. Não podemos ficar calados temos que agir em defesa das nossas crianças.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário, porque eu adoro! :)

Grande Beijo, meu e das pequenas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Layout: Prioridade de Mãe/ Designer: Acessórios e Personalizações de Blogs Tecnologia do Blogger | Todos os direitos reservados ©2013